🇧🇷 Como ajudar os pacientes a criarem hábitos que promovem a longevidade

Os nutricionistas podem ajudar os pacientes a estabelecer hábitos de vida saudáveis para promover a longevidade. Dos alimentos vegetais à higiene do sono, aqui estão algumas das melhores dicas para viver uma vida mais longa.

Melhorias na alimentação, na atividade física e nas escolhas de estilo de vida têm demonstrado reduzir o risco de doenças crônicas. No entanto, muitas dessas atividades diárias podem ser criadas a partir de maus hábitos, o que pode se tornar um desastre para a longevidade.

Como nutricionista, você pode trabalhar com os seus pacientes e ajudá-los a estabelecer novos hábitos que podem reduzir o risco de morte prematura e aumentar sua expectativa de vida. Mas quais são as formas de incentivar o seu paciente a desenvolver hábitos saudáveis a longo prazo?

Antes de conhecermos algumas dicas suportadas pela ciência sobre como promover a longevidade, vamos primeiro discutir o porquê de uma alimentação positiva e do hábito de praticar exercício físico serem importantes.

O que são hábitos?

Um hábito pode ser definido como um procedimento repetido que conduz a uma prática. Sejam positivos ou não, os hábitos alimentares e a prática de exercício influenciam muito a saúde em geral e podem, ainda, afetar a qualidade de vida e a longevidade.

Como criar hábitos positivos

Ao iniciar um novo hábito, pode não levar muito tempo até os seus pacientes começarem a desanimar. Contudo, um hábito não se desenvolve da noite para o dia, e por isso aqui encontrará algumas dicas de como ajudar o seu paciente a estabelecer hábitos positivos e que irão se manter.

  • Aproveite a rotina atual. É mais fácil lembrar de um novo hábito se ele já estiver relacionado com um que já é praticado. Por exemplo, você pode orientar o seu paciente a deixar um suplemento alimentar próximo à bancada da cozinha para que ele se lembre de tomá-lo.

  • Comece devagar. Se o novo hábito for muito complicado, o seu paciente não irá segui-lo, por isso comece tornando-o o mais fácil e simples possível. Isto pode incluir, por exemplo, dormir 10 minutos mais cedo do que o habitual, ou adicionar uma porção de fruta no café da manhã. Quando estes comportamentos se tornarem mais normais, você poderá aumentar lentamente o tempo para obter resultados ainda mais positivos.

Repita todos os dias. Alguns estudos referem que são necessários em média 66 dias para criar um novo hábito. Os comportamentos menores se transforma em grandes mudanças, por isso, se o seu paciente adotar um pequeno hábito todos os dias, é mais provável que ele se mantenha a longo prazo do que se ele fizesse grandes mudanças ao mesmo tempo.

Hábitos para promover a longevidade

Todos os hábitos positivos são benéficos para a saúde, mas existem alguns que podem ter um impacto direto na vida do seu paciente. Aqui estão alguns hábitos apoiados pela ciência que podem ajudar a promover a longevidade.

1. Focar em alimentos de origem vegetal

Algumas pesquisas indicam que ter uma alimentação à base de vegetais (como hortaliças, frutas frescas, grãos integrais, legumes, leguminosas e gorduras saudáveis) oferece enormes benefícios para a saúde geral, pois está relacionada com um menor risco de desenvolvimento de doenças crônicas e síndrome metabólica, e de morte por doença cardiovascular.

Isto se deve à variedade de nutrientes, como as fibras, e os antioxidantes (como carotenóides, folato e vitamina C) presentes nos alimentos de origem vegetal, uma vez que estes compostos possuem propriedades anti-inflamatórias e já foram relacionados ao aumento da longevidade através da promoção do controle de peso, da melhoria da saúde intestinal e da redução dos níveis de colesterol.

Além disso, estudos relacionaram as dietas vegetarianas e veganas (que têm como base os alimentos de origem vegetal) a um risco reduzido em cerca de 16%, 31-32%, e 18-25% de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, mortalidade por doenças cardiovasculares, e mortalidade por todas as causas, respectivamente.

Para ajudar os seus pacientes a extrairem os benefícios dos alimentos vegetais, tente incorporar mais opções em cada plano alimentar personalizado e forneça dicas úteis para aumentar a ingestão desses alimentos. Seja adicionando uma nova variedade de feijão no almoço, recheando torradas integrais com uma pasta de abacate ou apreciando um hummus (pasta de grão-de-bico) com palitos de cenoura ou pimentão, existem muitas maneiras de incorporar os vegetais para promover a longevidade dos seus pacientes.

2. Beber café ou chá

Os amantes de café e chá se alegram com os estudos que referem que beber entre 1,5 a 4,5 xícaras de café por dia pode reduzir as chances de mortalidade precoce em cerca de 30%

Isto pode ser devido a alguns compostos (como os polifenóis e as catequinas) presentes nestas bebidas, que também são relacionados a uma redução no risco de doença cardiovascular, de alguns tipos de câncer, e de diabetes tipo 2.

Você pode incentivar os seus pacientes a beber algumas xícaras de café ou de chá sem açúcar por dia para ajudar a melhorar a longevidade e a saúde em geral. No entanto, o excesso de cafeína pode impactar negativamente o sono e a saúde mental do seu paciente, e por isso é recomendado não consumir mais de 400 mg/dia.

3. Manter-se fisicamente ativo

Ao incentivar os seus pacientes a permanecerem fisicamente ativos, você pode ajudá-los a reduzir o risco de doenças crônicas, e melhorar a força muscular e a alcançar a longevidade.

Embora seja recomendado fazer exercício físico durante 150 minutos/semana (30 minutos por dia, cinco vezes por semana), poucos minutos já podem fazer a diferença. Alguns pesquisadores relatam que indivíduos que realizaram uma série recomendada de atividade física tiveram um risco reduzido em 19-21% de mortalidade por todas as causas.

Você pode ajudar os seus pacientes a atingir seus objetivos de prática de atividade física com os registros de atividades no aplicativo móvel do Nutrium. É uma forma útil de manter os pacientes motivados, e que pode ajudar na criação de hábitos saudáveis e aumentar a sua expectativa de vida.

4. Fazer mudanças positivas no estilo de vida

Existem algumas mudanças que você pode estimular seus pacientes a adotar se eles quiserem alcançar a longevidade, sendo que o tabagismo e o consumo de álcool são as principais.

Embora o consumo ocasional e em baixas doses de bebida alcoólica possa não ser um motivo de preocupação, o consumo excessivo (>2 bebidas/dia) tem sido relacionado a doenças crônicas, alguns tipos de câncer, e cardiomiopatia, os quais podem aumentar o risco de morte prematura.

De forma similar, o tabagismo também tem sido relacionado a um maior risco de desenvolver câncer, algumas doenças, inflamação crônica e a um risco aumentado de mortalidade, uma vez que estudos indicaram que fumantes podem perder até 10 anos de vida em comparação com os não fumantes.

Mas nunca é tarde demais para parar de fumar; uma pesquisa demonstrou que pessoas que param de fumar antes dos 40 anos podem reduzir o risco de morte em 90%.

5. Melhorar os hábitos de sono

Quando se trata de saúde, muitas vezes o sono pode ser negligenciado, mas ele é um fator importante que precisa ser levado em consideração. Ter um tempo de descanso adequado tem sido associado a menores níveis de estresse e ao aumento da clareza mental. No entanto, a privação crônica de sono pode levar a um risco 12% maior de morte precoce, assim como a inflamação e maior risco de desenvolver doenças do coração, obesidade, pressão alta, diabetes e derrame.

A alimentação, as escolhas de estilo de vida e a prática de atividade física desempenham um papel na qualidade do sono, e como dormir de 7 a 8 horas por noite pode ajudar a alcançar a longevidade, você pode cuidar dos aspectos nutricionais enquanto os seus pacientes continuam desenvolvendo uma boa higiene do sono.

Resumo

Os hábitos têm grande impacto na saúde em geral e podem afetar a qualidade de vida e a longevidade. Como nutricionista, você pode ajudar os seus pacientes a estabelecer hábitos alimentares e de estilo de vida positivos para aumentar a expectativa de vida e reduzir o risco de doenças crônicas. Esses hábitos vão de comer mais alimentos vegetais até beber café e dormir melhor, existem muitas maneiras de ajudar seus pacientes a desenvolver hábitos positivos para alcançar a longevidade e o bem-estar geral.


Estamos sempre trabalhando para trazer o melhor conteúdo sobre nutrição, por isso agradecemos receber sugestões ou comentários que você possa ter! Envie uma mensagem para info@nutrium.com.

Ainda não experimentou o Nutrium? Agora é o momento! Você pode experimentar todas as funcionalidades do Nutrium gratuitamente durante 14 dias, desde consultas, planos alimentares, análises nutricionais, videochamadas, website e blog, apps móveis para o paciente e profissional, e muito mais! Experimente agora gratuitamente!

Referências

  1. Michaelis: Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Retrieved September 06, 2022, from www.michaelis.uol.com.br

  2. Lally, P., van Jaarsveld, C.H.M., Potts, H.W.W. and Wardle, J. (2010), How are habits formed: Modelling habit formation in the real world. Eur. J. Soc. Psychol., 40: 998-1009. https://doi.org/10.1002/ejsp.674

  3. Marrone G, Guerriero C, Palazzetti D, Lido P, Marolla A, Di Daniele F, Noce A. Vegan Diet Health Benefits in Metabolic Syndrome. Nutrients. 2021 Mar 2;13(3):817. doi: 10.3390/nu13030817

  4. Tuso PJ, Ismail MH, Ha BP, Bartolotto C. Nutritional update for physicians: plant-based diets. Perm J. 2013 Spring;17(2):61-6. doi: 10.7812/TPP/12-085

  5. Barber, T.M.; Kabisch, S.; Pfeiffer, A.F.H.; Weickert, M.O. The Health Benefits of Dietary Fibre. Nutrients 2020, 12, 3209. https://doi.org/10.3390/nu12103209

  6. Watzl B. Anti-inflammatory effects of plant-based foods and of their constituents. Int J Vitam Nutr Res. 2008 Dec;78(6):293-8. doi: 10.1024/0300-9831.78.6.293

  7. Kim H, Caulfield LE, Garcia-Larsen V, Steffen LM, Coresh J, Rebholz CM. Plant-Based Diets Are Associated With a Lower Risk of Incident Cardiovascular Disease, Cardiovascular Disease Mortality, and All-Cause Mortality in a General Population of Middle-Aged Adults. J Am Heart Assoc. 2019 Aug 20;8(16):e012865. doi: 10.1161/JAHA.119.012865

  8. Dan Liu, Zhi-Hao Li, Dong Shen, et al; Association of Sugar-Sweetened, Artificially Sweetened, and Unsweetened Coffee Consumption With All-Cause and Cause-Specific Mortality: A Large Prospective Cohort Study. Ann Intern Med.2022;175:909-917. [Epub 31 May 2022]. doi:10.7326/M21-2977

  9. Esther Lopez-Garcia, Rob M. van Dam, Tricia Y. Li, et al; The Relationship of Coffee Consumption with Mortality. Ann Intern Med.2008;148:904-914. [Epub 17 June 2008]. doi:10.7326/0003-4819-148-12-200806170-00003

  10. Can-Lan Sun, Jian-Min Yuan, Woon-Puay Koh, Mimi C. Yu, Green tea, black tea and breast cancer risk: a meta-analysis of epidemiological studies, Carcinogenesis, Volume 27, Issue 7, July 2006, Pages 1310–1315, https://doi.org/10.1093/carcin/bgi276

  11. van Dieren S, Uiterwaal CS, van der Schouw YT, van der A DL, Boer JM, Spijkerman A, Grobbee DE, Beulens JW. Coffee and tea consumption and risk of type 2 diabetes. Diabetologia. 2009 Dec;52(12):2561-9. doi: 10.1007/s00125-009-1516-3

  12. European Food Safety Authority (EFSA). Caffeine. Retrieved September 07, 2022 from https://www.efsa.europa.eu/en/topics/topic/caffeine

  13. Dong Hoon Lee, Leandro F.M. Rezende, Hee-Kyung Joh, NaNa Keum, Gerson Ferrari, Juan Pablo Rey-Lopez, Eric B. Rimm, Fred K. Tabung, Edward L. Giovannucci. Long-Term Leisure-Time Physical Activity Intensity and All-Cause and Cause-Specific Mortality: A Prospective Cohort of US Adults. Circulation, 2022; DOI: 10.1161/CIRCULATIONAHA.121.058162

  14. U.S. Center of Disease Control and Prevention (CDC). Alcohol use and your health. Retrieved August 25, 2022 from https://www.cdc.gov/alcohol/pdfs/alcoholyourhealth.pdf

  15. Movva R, Figueredo VM. Alcohol and the heart: to abstain or not to abstain? Int J Cardiol. 2013 Apr 15;164(3):267-76. doi: 10.1016/j.ijcard.2012.01.030

  16. NCD Countdown 2030: pathways to achieving Sustainable Development Goal target 3.4. (2020). The Lancet. doi:10.1016/s0140-6736(20)31761-x

  17. U.S. Center of Disease Control and Prevention (CDC). Tobacco-related mortality. Retrieved August 25, 2022 from https://www.cdc.gov/tobacco/datastatistics/factsheets/healtheffects/tobaccorelated_mortality/index.htm

  18. Jha P, Ramasundarahettige C, Landsman V, Rostron B, Thun M, Anderson RN, McAfee T, Peto R. 21st-century hazards of smoking and benefits of cessation in the United States. N Engl J Med. 2013 Jan 24;368(4):341-50. doi: 10.1056/NEJMsa1211128

  19. Francesco P. Cappuccio, MD, FRCP, Lanfranco D'Elia, MD, Pasquale Strazzullo, MD, Michelle A. Miller, PhD, Sleep Duration and All-Cause Mortality: A Systematic Review and Meta-Analysis of Prospective Studies, Sleep, Volume 33, Issue 5, May 2010, Pages 585–592, https://doi.org/10.1093/sleep/33.5.585

  20. Javaheri S, Redline S. Insomnia and Risk of Cardiovascular Disease. Chest. 2017 Aug;152(2):435-444. doi: 10.1016/j.chest.2017.01.026.

  21. National Heart, Lung, and Blood Institute. Sleep deprivation and deficiency. Retrieved August 25, 2022 from https://www.nhlbi.nih.gov/health/sleep-deprivation